figuras figuronas



o sinal da menina
na ponta do nariz
a mascarra no tecto
a picada no dedo
que pode ser de insecto
mas nunca de segredo
o borrão da caneta
o bico do pardal
quando não canta perto
seu destino animal
uma pedra do chão
uma areia da praia
uma gota do mar
a poeira da aveia
um ”o” muito pequeno
no corredor da frase
se nele tropeçamos
tropeçamos ou quase
um buraco redondo
onde mora a formiga
ou onde se demora
sítio onde se cruzam
caminhos de aldeia
dois ramos de avenida
o sítio onde se encontram
embora ninguém diga
dois sentidos inversos
que só cabem nos versos.


" Maria Alberta Menéres "